quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

O Senhor dos Anéis - Trilogia

O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anél

FICHA TÉCNICA
Gênero: Aventura
Ano de Lançamento: 2001
Sinopse: Numa terra fantástica e única, chamada Terra-Média, um hobbit (seres de estatura entre 80 cm e 1,20 m, com pés peludos e bochechas um pouco avermelhadas) recebe de presente de seu tio o Um Anel, um anel mágico e maligno que precisa ser destruído antes que caia nas mãos do mal. Para isso o hobbit Frodo (Elijah Woods) terá um caminho árduo pela frente, onde encontrará perigo, medo e personagens bizarros. Ao seu lado para o cumprimento desta jornada aos poucos ele poderá contar com outros hobbits, um elfo, um anão, dois humanos e um mago, totalizando 9 pessoas que formarão a Sociedade do Anel.

O Senhor dos Anéis: As duas Torres

FICHA TÉCNICA
Gênero: Aventura
Ano de Lançamento: 2002
Sinopse: Após a captura de Merry (Dominic Monaghan) e Pippy (Billy Boyd) pelos orcs, a Sociedade do Anel é dissolvida. Enquanto que Frodo (Elijah Wood) e Sam (Sean Astin) seguem sua jornada rumo à Montanha da Perdição para destruir o Um Anel, Aragorn (Viggo Mortensen), Legolas (Orlando Bloom) e Gimli (John Rhys-Davies) partem para resgatar os hobbits sequestrados.

O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei

FICHA TÉCNICA
Gênero: Aventura
Ano de Lançamento: 2003
Sinopse: Sauron planeja um grande ataque a Minas Tirith, capital de Gondor, o que faz com que Gandalf (Ian McKellen) e Pippin (Billy Boyd) partam para o local na intenção de ajudar a resistência. Um exército é reunido por Theoden (Bernard Hill) em Rohan, em mais uma tentativa de deter as forças de Sauron. Enquanto isso Frodo (Elijah Wood), Sam (Sean Astin) e Gollum (Andy Serkins) seguem sua viagem rumo à Montanha da Perdição, para destruir o Um Anel.









Spartacus

Grande parte dos épicos que vinha sendo lançados ao longo dos anos de 1950 era, geralmente, de teor bíblico. Mas Kirk (1960) queria realizar algo que não tivesse tom religioso. Sendo assim, Douglas negociou os direitos da controversa história da obra literária lançada em 1952, escrita por Howard Fast (1914-2003), que tornou-se uma leitura popular nos meios comunistas.

Aliás, a história de Spartacus já havia sido filmada na Europa, em 1953, sob o mesmo título (nos EUA, como “Sins of Rome”), e com a direção de Riccardo Freda (1909-1999), estrelado pelo astro italiano Massimo Girotti (1918-2003) no papel do herói-escravo, e a bela deusa francesa Ludmilla Tchérina (1924-2004) desempenhando Varínia, mulher de Spartacus. Produção italiana, realizada com apoio de capital de Liechtenstein, com música de Renzo Rossellini.

Sinopse
O filme de Freda romanceia a epopéia de Espártaco, o gladiador de origem trácia que liderou a maior revolta de escravos ocorrida na Itália romana (século I a.C.). Enquanto luta contra aqueles que querem destruí-lo, o herói da história é disputado por duas belas mulheres: a sensual Sabina, filha do aristocrata romano, Crasso, e por sua escrava, Amytes, vivida na tela pela bailarina Ludmilla Tcherina.
Elenco
Massimo Girotti - Espártaco
Ludmilla Tchérina - Amitys
Yves Vincent - Ocnomas
Gianna Maria Canale - Sabina Crasso
Carlo Ninchi - Marco Licínio Crasso
Vittorio Sanipoli - Marco Virilio Rufo
Carlo Giustini - Artorige
Umberto Silvestri - Lêntulo Batiato
Teresa Franchini - Mãe de Espártaco

Considero Spartacus (1960), de Stanley Kubrick, o melhor épico da história do cinema, ainda que o diretor não tenha tido a oportunidade de concebê-lo na sua integridade, pois, tratando-se de uma produção da companhia de Kirk Douglas, a Byrna (nome em homenagem à sua mãe), o autor de A Laranja Mecânica somente foi convidado após a desistência de Anthony Mann, que entrou em conflito com o poderoso producer.

Douglas, que já tinha trabalhado com Kubrick em Glória feita de sangue (Paths of glory, 1958), e admirado muito o seu trabalho; com a saída de Mann Kirk Douglas convidou Kubrick para assumir a direção, apesar dos protestos de alguns acionistas de sua empresa produtora, que o consideravam um imberbe para uma empreitada caríssima como Spartacus. O fato é que o filme, monumental, possui características kubrickianas na maneira de encenar, na composição do enquadramento (a câmera no chão com os gladiadores de corpo inteiro, por exemplo, em angulações ousadas), no sentido peculiar do ritmo, do timing, e da concepção de montagem (Laurence Olivier, como Crassus, enquanto fala para sua tropa, tem, intercalando-a, Spartacus a falar para seus comandados em montagem alternada extremamente funcional).

O melhor de tudo, porém, é a seqüência da batalha final, que somente poderia ter sido dirigida mesmo por um mestre como Kubrick, pois se assemelha, pelo impacto, pela força expressiva, à seqüência da batalha do gelo de Alexandre Nevsky (1938), de Serguei Eisenstein. Se, nesta, a partitura é de Prokofiev, a deSpartacus é de Alex North, músico especializado em grandes temas para cinema e que tem neste filme um de seus momentos de glória.

Filme de produtor, Spartacus, ainda que comandado administrativamente por Kirk Douglas, este confiou na capacidade daquele rapaz e lhe deu carta branca para a concepção das grandes seqüências. Este imenso espetáculo, singular na história do cinema, saiu (há alguns anos) em edição especial cheio de extras em DVD, e pode ser considerada a superprodução hollywoodiana que melhor se conservou com o passar do tempo e, vista hoje, é como se o filme tivesse sido feito agora.

A sensação que se tinha, quando do seu lançamento em 1961, era de um filme avançado para a sua época em termos da sua concepção de mise-en-scène, deixando em segundo plano Ben-Hur e Os dez mandamentos, embora estes possam, também, serem considerados espetáculos primorosos dentro das fronteiras de seu gênero. Spartacus, no entanto, ganha de todos eles por sua magnificência, sentido de cinema pulsante, elenco inexcedível. E Laurence Olivier, como Crassus, tem, aqui, uma de suas performances mais eloqüentes.

Baseado em livro de Howard Fast, com roteiro do grande roteirista Dalton Trumbo (que entrou para a lista negra de MacCarthy), Spartacus, sobre ser um épico empolgante, é um filme que mostra a relação escravocrata e a necessidade de um grito de liberdade.

Em Roma, um escravo trácio (Kirk Douglas/Spartacus) é comprado por um comerciante romano, Batiatus Lentulus (Peter Ustinov, que ganhou o Oscar por este desempenho) para a sua escola de gladiadores. Nesta vem a conhecer uma bonita escrava inglesa, Varinia (Jean Simmons) pela qual se apaixona. Quando o treinamento de Spartacus se encontra quase concluído, um general de Roma, Crassus (Laurence Olivier) faz uma visita à escola e exige, para satisfazer os desejos sadicos de sua comitiva, que dois escravos/gladiadores lutem até à morte. O escolhido é Spartacus, que se vê obrigado a enfrentar o guerreiro etíope Draba (Woody Strode, um dos atores preferidos de John Ford, negro alto e forte). Draba é vitorioso, mas se recusa a matar o companheiro. Tem início então uma rebelião e a fuga quando Spartacus começa a comandar um verdadeiro exército de escravos para lutar contra Roma.

A versão original, segundo dados do Imdb (The Internet Movie Database), o maior banco de dados sobre cinema do mundo, incluía uma cena em que Crassus tenta seduzir Antoninus (Tony Curtis). O Código Hayes, porém, então vigente e draconiano, não autorizou e a cena foi cortada da versão exibida nos cinemas quando de seu lançamento. Com a restauração milionária realizada em 1991 (fotograma por fotograma) a cena foi acrescentada. Mas, durante o trabalho de restauro, a equipe encontrou alguns problemas. A faixa sonora estava perdida (música e diálogos). Os atores, assim como foi feito em Lawrence da Arábia, de David Lean, os que ainda estavam vivos, se prestaram a dublar seus personagens. Mas a voz de Laurence Olivier, particularíssima, com ele já morto, deve que ser dublado por Anthony Hopkins, que procurou imitar, na medida do possível, a voz do maior ator de teatro do século XX.

Assisti Spartacus, pela primeira vez, no velho cine Tupy (Salvador/Bahia) antes da reforma de 1968. No já distante ano de 1961, quando, com 11 anos, quase que não conseguia entrar, pois, na época, o filme era proibido para menores de 14 anos. Assim, talvez meu entusiasmo pelo filme tenha vindo pelo impacto que provocou no adolescente que estava se formando como cinéfilo impertinente. Mas continuei, pela vida inteira, a ver Spartacus, indo assisti-lo onde estivesse passando. A última vez que foi exibido em cinema, creio, se a memória não falha, foi nos anos 70, no Tupy, em cópia esplendorosa na bitola de 70mm. Depois passou para a fita magnética, em horrendo full screen, e, agora, vem restaurado em edição que respeita a integridade de seu enquadramento, isto é, preservando o cinemascope original.

O elenco é excepcional, um cast de primeiríssima: além de Douglas, Simmons, Olivieri, Ustinov, Strode, estão presentes: Tony Curtis, Charles Laughton (em fim de carreira e que tem aqui uma interpretação soberba como um senador romano), John Gavin, Nina Foch, John Ireland, Herbert Lom, John Dall (um dos estudantes assassinos de Festim Diabólico/Rope, 1948, do mestre Hitch), Harold J. Stone, Charles MacGraw, entre outros. A iluminação é de um artista da luz: Russell Metty.
O fascínio que permanece em Spartacus se deve muito à contribuição de Stanley Kubrick como metteur-en-scène e, também, pela confiança que Kirk Douglas depositou nele. Produtor de visão, este dispensou a Kubrick a necessária liberdade para conceber o espetáculo, embora com algumas discussões e atritos por causa do temperamento do realizador de Lolita.

Spartacus é um filme permanente que, se for ser sincero, o colocaria entre os 10 melhores filmes que já vi. Há, nestas listas de melhores, as listas afetivas e as protocolares, que procuram aferir a importância dos filmes no processo histórico da sétima arte. Posso dizer que após os 11 anos de idade, quando o vi pela primeira vez, naquele Tupy com o teto cheio de teias de aranhas negras, Spartacus permaneceu comigo, fazendo parte, portanto, de minha história de cinéfilo.
Spartacus foi lançado no Brasil há quase meio século no dia 17 de novembro de 1960 (mas para a Bahia veio somente no ano seguinte).

Para adaptar o romance de Fast, Kirk contratou Dalton Trumbo (1905-1976), um dos DEZ DE HOLLYWOOD, que havia sido preso por se recusar a cooperar para o Comitê de Atividades Antiamericanas e teve que escrever roteiros sob pseudônimos por mais de uma década. Logo, Kirk Douglas também entrou para a história por ajudar a destruir a lista negra ao permitir que um dos perseguidos pelo "Caça as Bruxas" usasse seu próprio nome nos créditos de Spartacus.


Spartacus - produção de 2004



Spartacus

Título Original: Spartacus: Blood and Sand
Gênero: Épico / Drama / Fantasia
Ano de Lançamento: 2010
Duração: 60 min (cada episódio)
País de Produção: EUA / Nova Zelandia

Episódio 08:
Marca da Fraternidade (Mark of the Brotherhood)
Sinopse:
Superprodução com estética que lembra as recentes adaptações de graphic novels para os cinemas, Spartacus: Blood and Sand é realizada pela Stars Road Entertainment, comandada por Joshua Donen e Sam Raimi (diretor da trilogia Homem-Aranha). O roteiro ficou a cargo de Steven S. DeKnight (Angel, Dollhouse e Buffy a Caça-Vampiros). A direção é de Grady Hall, premiado diretor de publicidade e videoclipes.

Na série, o soldado romano Spartacus (Andy Whitfield) é sentenciado a morte em uma arena após desafiar o comando de Claudis Glaber (Craig Parker, O Senhor dos Anéis). Durante o combate, ele surpreende a todos e mata quatro gladiadores. Apesar do feito, Spartacus é condenado a escravidão. Além disso, é separado de sua esposa Sura (Erin Cummings) e a vê ser violentada por soldados romanos e vendida para um comerciante sírio. Batiatus (John Hannah, A Múmia) compra Spartacus. Decide colocar o escravo nos combates de arena e tirar vantagem financeira. Doctore (Peter Mensah, 300), seu treinador de gladiadores, não gosta da idéia, pois vê Spartacus como um perigo em razão de seu espírito de vingança. Paralelamente aos combates sangrentos, o herói é envolvido pela política, corrupção e luxúria da Roma Antiga. O elenco conta também com Lucy Lawless (a eterna "Xena") no papel de Lucretia.

Elenco:
Andy Whitfield - Spartacus
John Hannah - Batiatus
Manu Bennett - Crixus
Erin Cummings - Sura
Lucy Lawless - Lucretia
Viva Bianca - Ilithyia
Craig Parker - Claudius Glaber
Kyle Rowling - Drenis
Antonio Te Maioho - Barca (as Antonio Te Maioha)
John Rawls - Byzo
Kevin J. Wilson - Senator Albinius
Craig Walsh Wrightson - Solonius
Aron Eastwood - Tribune
John Way - Capuan Man

A nova série dos produtores de “Hércules” e “Xena, a Princesa Guerreira”, chega ao Brasil para um público limitado. O canal Globosat HD comprou a série “Spartacus: Blood and Sand“.

Criada por Stephen S. DeKnight, com base em história real, a série teve 13 episódios em sua primeira temporada. Renovada para uma segunda, a produção precisou ser temporariamente suspensa para dar tempo ao seu protagonista, Andy Whitfield, submeter-se a um tratamento contra o câncer, detectado durante exames de rotina. Para manter o interesse do público na história, o canal Starz americano encomendou a produção de uma minissérie de seis episódios, que apresentará um prelúdio à história vista na primeira temporada. As filmagens da minissérie terão início esse mês, com previsão de estreia nos EUA para outubro (2010). Adaptando a linguagem visual dos video games, a série explora as cenas de ação, violência e sexo para narrar a vida de Spartacus e as manipulações de Batiatus e sua esposa para ascender socialmente.

Ridley Scott (Prometheus - Alien - Gladiator)

Sir Ridley Scott, (South Shields, Tyne and Wear Reino Unido, 30Nov1937) é um realizador e produtor de filmes inglês. É irmão do também realizador de cinema Tony Scott, filho de Elizabeth e Colonel Francis Percy Scott. Estudou fotografia no "Royal College of Art" e ajudou a estabelecer aí um departamento cinematográfico na década de 60. Após a graduação, conseguiu um curso de formação na BBC que o levou a trabalhar na popular série de televisão Z Cars. Juntamente com Alan Parker, Hugh Hudson e o seu irmão mais novo Tony Scott criou uma empresa de publicidade. Após ter singrado no mercado da publicidade inglês partiu para Hollywood onde produziu e realizou alguns filmes de grande êxito. O seu estilo muito visual, influenciou uma geração inteira de realizadores, alguns dos quais se limitaram a copiá-lo. Ridley Scott é conhecido por ser um realizador muito versátil; raramente fazendo dois filmes do mesmo estilo, e alguns deles são considerados, normalmente, como dos melhores no seu estilo. Em 2004, enquanto filmava em Marrocos o filme “Kingdom of Heaven”, Scott queixou-se de ter recebido ameaças de morte por parte de extremistas islâmicos. O governo marroquino enviou centenas de soldados para o proteger. Scott recebeu a nomeação para melhor realizador por três vezes; em 2003 recebeu o título de “Sir” Filmografia Título original - no Brasil - em Portugal Ano Prometheus 2012 Robin Hood 2010 Body of Lies - Rede de Mentiras - O Corpo da Mentira 2008 American Gangster - O Gângster - Gangster Americano/American Gangster 2007 A Good Year - Um Bom Ano 2006 All the Invisible Children / segmento "Jonathan" (co-dirigido com Jordan Scott) Todas as Crianças Invisíveis - 2006 Kingdom of Heaven - Cruzada - Reino dos Céus 2005 Matchstick Men - Os Vigaristas - Amigos do alheio 2003 Black Hawk Down - Falcão Negro em Perigo - Cercados 2001 Hannibal 2001 Gladiator - Gladiador 2000 G.I. Jane - Até o Limite da Honra - Até ao limite 1997 White Squall - Tormenta - Escola de Homens 1996 1492 - Conquest of Paradise / 1492 - A Conquista do Paraíso / 1492: Cristóvão Colombo 1992 Thelma and Louise 1991 Black Rain - Chuva Negra 1989 Someone to Watch Over Me - Perigo na Noite - Na Vigília da Noite 1987 Legend - A Lenda - A Lenda da Floresta 1985 Blade Runner / Blade Runner - O Caçador de Andróides / Blade runner – Perigo iminente 1982 Alien - Alien, O Oitavo Passageiro / Alien – O 8º passageiro 1979 The Duellists - Os Duelistas - O duelo 1977 Premiações Recebeu três indicações ao Oscar de melhor diretor por Thelma & Louise (1992), Gladiador (2000) e Falcão Negro em Perigo(2001). Ganhou o Prêmio Bodil de melhor filme americano por Thelma & Louise (1991). Ganhou o prêmio de melhor filme de estréia no Festival de Cannes por Os Duelistas (1977). Recebeu uma indicação ao César de melhor filme estrangeiro por Thelma e Louise (1991). Recebeu uma indicação ao Prêmio 5 Continentes, no Festival Europeu de Filmes, por Gladiador (2000). Recebeu três indicações ao Internacional Fantasy Film Award de melhor filme por Blade Runner - O Caçador de Andróides (1982),Perigo na Noite (1987) e Blade Runner - O Caçador de Andróides (corte do diretor) (1982). Recebeu uma indicação ao Globo de Ouro de melhor diretor de filme por Gladiador (2000). Recebeu uma indicação ao Golden Satellite de melhor diretor por Gladiador (2000). Ganhou o prêmio pelo conjunto da obra no Festival de Palm Springs. Recebeu uma indicação ao Prêmio David Lean, no BAFTA, por sua direção em Gladiador (2000). Ganhou em 1995 o prêmio Michael Balcon, no BAFTA. Recebeu, em 1992, indicação ao BAFTA de Melhor Filme e diretor por Thelma & Louise (1991).
Ficha Técnica
título original: Gladiator
gênero: Épico
duração: 2hr 35 min
ano de lançamento: 2000
site oficial: http://www.gladiator-thefilm.com
estúdio: Universal Pictures / DreamWorks SKG
distribuidora: DreamWorks Distribution L.L.C. / Universal Pictures
direção: Ridley Scott
roteiro: David H. Franzoni, John Logan e William Nicholson
produção: David H. Franzoni, Steven Spielberg e Douglas Wick
música: Hans Zimmer
fotografia: John Mathieson
direção de arte: David Allday, Benjamín Fernández e John King
figurino: Janty Yates
edição: Pietro Scalia
efeitos especiais: Mill Film

Premiações

OSCAR
Melhor Filme
Melhor Ator - Russell Crowe
Melhor Figurino
Melhor Som
Melhores Efeitos Especiais

Indicações
Melhor Diretor - Ridley Scott
Melhor Ator Coadjuvante - Joaquin Phoenix
Melhor Roteiro Original
Melhor Fotografia
Melhor Direção de Arte
Melhor Trilha Sonora
Melhor Edição

GLOBO DE OURO
Melhor Filme - Drama
Melhor Trilha Sonora

Indicações
Melhor Diretor - Ridley Scott
Melhor Ator - Drama - Russell Crowe
Melhor Ator Coadjuvante - Joaquin Phoenix

BAFTA
Melhor Filme
Melhor Fotografia
Melhor Direção de Arte
Melhor Edição

Indicações
Melhor Diretor - Ridley Scott
Melhor Ator - Russell Crowe
Melhor Ator Coadjuvante - Joaquin Phoenix
Melhor Ator Coadjuvante - Oliver Reed
Melhor Figurino
Melhor Maquiagem
Melhor Roteiro Original
Melhor Som
Melhores Efeitos Especiais

EUROPEAN FILM AWARDS
Indicação
Prêmio 5 Continentes

MTV MOVIE AWARDS
Melhor Filme

Indicações
Melhor Ator - Russell Crowe
Melhor Vilão - Joaquin Phoenix
Melhor Sequência de Ação - exército romano contra germânicos
Melhor Luta - Russell Crowe contra oponente mascarado e tigre
Melhor Fala - "It vexes me, I am terribly vexed!", por Joaquin Phoenix



Sinopse
Nos dias finais do reinado de Marcus Aurelius (Richard Harris), o imperador desperta a ira de seu filho Commodus (Joaquin Phoenix) ao tornar pública sua predileção em deixar o trono para Maximus (Russell Crowe), o comandante do exército romano. Sedento pelo poder, Commodus mata seu pai, assume a coroa e ordena a morte de Maximus, que consegue fugir antes de ser pego e passa a se esconder sob a identidade de um escravo e gladiador do Império Romano.

Curiosidades

A 1ª opção para o papel principal de Gladiador foi Mel Gibson, que chegou a ser contactado pelo diretor Ridley Scott e ler o roteiro do filme. Entretanto, Gibson recusou o papel porque não queria fazer um filme de temática semelhante a Coração Valente;

Este é o 1º de 5 filmes em que o diretor Ridley Scott e o ator Russell Crowe trabalharam juntos. Os demais foram Um Bom Ano (2006), O Gângster (2007), Rede de Mentiras (2008) e Robin Hood (2010);

Dois estúdios dividiram a produção de Gladiador: a DreamWorks, que distribuiu o filme na América do Norte, e a Universal, que o distribuiu no restante do planeta;

Para compôr o cenário de Gladiador o diretor Ridley Scott mandou erguer uma réplica do famoso Coliseu em tamanho natural, em pleno Marrocos, onde boa parte do filme foi rodado;

Durante as filmagens de Gladiador o veterano ator Oliver Reed faleceu, vítima de um ataque cardíaco. Como Reed havia participado de cenas capitais do filme, Ridley Scott pediu - e conseguiu - autorização da família para usar as imagens disponíveis e manter o personagem. Entretanto, o destino de seu personagem teve que ser modificado: ao invés de sobreviver, Proximus morre tentando salvar o personagem de Russell Crowe. As filmagens desta cena adicional contou com o auxílio de outro ator, que teve seu rosto substituído digitalmente pelo de Oliver Reed.

Touro Indomável - Raging Bull / O Lutador - The Wrestler


Ficha Técnica
título original:Raging Bull
gênero:Drama
duração:2 hr 8 min
ano de lançamento: 1980
estúdio: United Artists / Chartloff-Winkler Productions
distribuidora: United Artists
direção: Martin Scorsese
roteiro: Paul Schrader e Mardik Martin, baseado em livro de Jake LaMotta, Joseph Carter e Peter Savage
produção: Robert Chartoff e Irwin Winkler
música: Robbie Robertson
fotografia: Michael Chapman
direção de arte: Kirk Axtell e Alan Manser
figurino: Richard Bruno
edição: Thelma Schoonmaker
Premiações
OSCAR
Melhor Ator - Robert De Niro
Melhor Edição

Indicações
Melhor Filme
Melhor Diretor - Martin Scorsese
Melhor Ator Coadjuvante - Joe Pesci
Melhor Atriz Coadjuvante - Cathy Moriarty
Melhor Fotografia
Melhor Som

GLOBO DE OURO
Melhor Ator - Drama - Robert De Niro

Indicações
Melhor Filme - Drama
Melhor Diretor - Martin Scorsese
Melhor Ator Coadjuvante - Joe Pesci
Melhor Atriz Coadjuvante - Cathy Moriarty
Melhor Roteiro
Melhor Revelação Feminina - Cathy Moriarty

BAFTA
Melhor Revelação - Joe Pesci
Melhor Edição

Indicações
Melhor Ator - Robert De Niro
Melhor Revelação - Cathy Moriarty




SINOPSE
Ascensão e queda do pugilista Jake LaMotta, que conheceu a fama e o sucesso mas, devido a seu violento temperamento, botou tudo a perder. Oscars de melhor ator e montagem neste que foi considerado pela crítica um dos melhores filmes americanos de todos os tempos.


título original: The Wrestler
lançamento: 2008 (EUA)
direção: Darren Aronofsky
atores: Mickey Rourke, Marisa Tomei, Mark Margolis, Todd Barry.
duração: 115 min
gênero: Drama

Sinopse
Randy "Carneiro" Robinson (Mickey Rourke) é um solitário e famoso lutador de wrestler que se sustenta através das lutas e também de "bicos" que faz em um mercado local. Após um intenso combate, Randy sofre um infarto e, depois de uma cirurgia, é informado que corre risco de morte se voltar a praticar atividades físicas. Assustado, ele procura dividir sua angústia com uma stripper (Marisa Tomei), por quem nutre um desejo e, que o ajuda a retomar o contato com Stephanie (Evan Rachel Wood), a filha abandonada por ele. Dividido entre um passado de glória e um futuro incerto, Randy se vê pressionado a retornar ao ringue para uma importante revanche que pode mudar a sua vida.

Dio, Come Ti Amo


FICHA TÉCNICA
Gênero: Drama/ Musical/ Romance

A cantora Gigliola Cinquetti, interpreta uma bela e inocente jovem de família pobre que se apaixona pelo noivo rico de sua melhor amiga. Emocionados com a paixão da moça, seus familiares a fazem se passar por uma princesa para que ela possa viver este romance impossível.

Dio Come Ti Amo um Filme romântico da década de 60 que levou multidões às salas de cinema, sendo um ótimo entretenimento e um drama emocionante. As músicas “Dio, Come Ti Amo” e “Non ho l’età” são inesquecíveis e embalaram muitos romances.


Magnificent Seven - Sete Homens e um destino


título original: (The Magnificent Seven)
lançamento: 1960 (EUA)
direção:John Sturges
atores:Yul Brynner, Eli Wallach, Horst Buchholz, Steve McQueen.
duração: 126 min
gênero: Faroeste

Sinopse
Em um vilarejo mexicano, os habitantes sofrem constantes ataques de um bando de pistoleiros liderados pelo temido Calvera (Eli Wallach). Cansados de serem saqueados, alguns moradores locais que não têm armas e muito menos temperamento violento viajam até a fronteira, onde encontram Chris (Yul Brynner) e Vin (Steve McQueen), dois pistoleiros desempregados que estão dispostos, não pelo dinheiro mas pela aventura, a reunir mais cinco outros foras-da-lei, que concordam por motivos diversos, a defendê-los de Calvera. A vitória parecia assegurada, mas Calvera não desiste facilmente e volta ao povoado, obrigando Chris e seus companheiros a lutarem até a morte para salvar os habitantes da pequena cidade.




The Good, the Bad and the Ugly (1966)


Guns of the Magnificent Seven (1969)- Diretor Paul Wendkos

Blade Runner - O Caçador de Andróides


Título Original e Nacional: Blade Runner - O Caçador De Andróides
Gênero: Ficção
País de Origem: Estados Unidos
Duração: 01:57:00 | Ano Lançamento: 1982
Diretor(a): Ridley Scott;
Elenco: Harrison Ford; Rutger Hauer; Sean Young; Edward James Olmos; M. Emmet Walsh; Daryl Hannah; William Sanderson; Brion James; Joe Turkel; Joanna Cassidy; James Hong; Morgan Paull; Kevin Thompson; John Edward Allen; Hy Pyke; Kimiko Hiroshige; Bob Okazaki; Carolyn Demirjian; Ben Astar; Judith Burnett; Leo Gorcey Jr.; Sharon Hesky; Kelly Hine; Tom Hutchinson; Charles Knapp; Rose Mascari; Jiro Okazaki; Steve Pope; Robert Reiter; Alexis Rhee;

Sinopse: O detetive Deckard (Harrison Ford) recebe a missão de caçar quatro replicantes que fugiram de um planeta e vieram para a Terra, a fim de prolongar o seu tempo de vida. Versão do diretor, editada no 10º aniversário do filme.


The Final CUT - 2007 (versão de Ridley Scott)

Apocalypse Now


Título Original e nacional: Apocalypse Now
Gênero: Guerra
País de Origem: Estados Unidos
Duração: 02:28:00 | Ano Lançamento: 1979
Diretor(a): Francis Ford Coppola;
Elenco: Marlon Brando; Robert Duvall; Harrison Ford; Dennis Hopper; Martin Sheen; Frederic Forrest; Albert Hall; Sam Bottoms; Laurence Fishburne; Jerry Ziesmer; Scott Glen; Francis Ford Coppola;

Sinopse: A história relata a jornada do capitão Willard (Sheen), um oficial da inteligência do exército americano, enviado numa perigosa missão até o Camboja para destruir "totalmente" um coronel americano desertor chamado Kurtz (Brando), que está fora de controle e louco. Kurtz, figura musculosa e enigmática, semelhante a Buda, controla uma tribo de montanheses numa selva remota repleta de crânios e corpos em decomposição. Durante a jornada pelo rio Willard conhece o coronel Kilgore (Duvall), que lidera seu esquadrão de helicópteros ao som de Wagner e comanda um campeonato de surfe mesmo com os inimigos atirando sem parar. Willard segue seu destino num barco-patrulha da Marinha com quatro tripulantes que servem como o microcosmo da força de guerra americana: o chefe do barco (Albert Hall), afro-americano, um ex-taxista que tenta manter-se vivo e jovem usando drogas; Chef (Frederic Forrest), um cozinheiro de New Orleans que entrou para a marinha porque achava que a comida era melhor que no exército; Clean, um adolescente negro do Bronx (interpretado por Laurence Fishburne, de 14 anos); e Lance, um surfista da Califórnia convocado para guerra (Sam Bottoms). Conforme o barco segue em direção ao Camboja, tudo parece estar sob o domínio da ilusão, da loucura... e das sombras obscuras do coração humano. Coppola procurou "criar uma experiência que fizesse o público sentir o que era o Vietnã: a urgência, a loucura, a diversão, o horror, a sensibilidade e o dilema moral da guerra americana mais surreal e obscura." Capitão, entenda que esta missão não existe, nem existirá nunca.


Star TREK - Jornadas Nas Estrelas


Título Original: Star Trek 1 - The Motion Picture
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 1979
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: Star Trek 2 - The Wrath Of Khan
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 1982
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: Star Trek 3 - The Search For Spock
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 1984
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: Star Trek 4 - The Voyage Home
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 1986
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: Star Trek 10 - Nemesis
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 2002
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: Star Trek 11
Gênero: Ação | Aventura | Ficção
Ano de Lançamento: 2009
País de Origem: Estados Unidos





Episódio produzido em 1967




Star Wars



Título Original: Star Wars 1 - The Phantom Menage
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 1999
País de Origem: Estados Unidos



Título Original: Star Wars 2 - Attack Of The Clones
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 2002
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: Star Wars 3 - Revenge Of The Sith
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 2005
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: Star Wars 4 - A New Hope
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 1977
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: Star Wars 5 - The Empire Strikes Back
Gênero: Ação | Aventura | Ficção
Ano de Lançamento: 1980
País de Origem: Estados Unidos



Título Original: Star Wars 6 - Return Of The Jedi
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 1983
País de Origem: Estados Unidos












Back To The Future - De Volta Para o Futuro


Título Original: Back To The Future
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 1985
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: Back To The Future Part 2
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 1989
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: Back To The Future Part 3
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 1990
País de Origem: Estados Unidos


Matrix - Trilogy


Título Original: The Matrix
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 1999
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: The Matrix Reloaded
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 2003
País de Origem: Estados Unidos


Título Original: Matrix 3 - Revolution
Gênero: Ficção
Ano de Lançamento: 2003
País de Origem: Estados Unidos

9 1/2 Weeks - Semanas de Amor


Título Original: Nine 1/2 Weeks
Título Nacional: 9 1/2 Semanas De Amor
Gênero: Romance
País de Origem: Estados Unidos
Duração: 01:52:00 | Ano Lançamento: 1986
Diretor(a): Adrian Lyne;
Elenco: Mickey Rourke; Kim Basinger; Margaret Whitton; David Margulies; Christine Baranski; Karen Young; William De Acutis; Dwight Weist; Roderick Cook; Victor Truro; Justine Johnston; Cintia Cruz; Kim Chan; Lee Lai Sing; Rudolph Willrich; Helen Hanft; Michael P. Moran; Raynor Scheine; Olek Krupa; Michael Margotta; Julian Beck; John P. Connolly; Cassandra Danz; Beata Jachulski; Peter Pagan; Terri Perri; Charles Malota; Daniel E. Amrich; Salvatore Sciangula; Kim Michel; Jeff Severson; Dan Lauria; Corey Parker; Joe Maruzzo; Tom Traino; Corvova Choy Lee; Ellen Barber; Ethel Ayler; Elisabeth Senn; Gittan Goding; David M. Everard; Luther Rucker; Joey Silvera; Petina Cole; Merry Clayton; Kim Isaacson; Sarah Kernochan; David Tabor; George Coutoupis;

Sinopse: Elizabeth (Kim Basinger) é uma bela e sexy mulher que trabalha em uma galeria de arte e se envolve com John (Mickey Rourke), um rico homem. Eles se envolvem rapidamente e começam a praticar jogos sexuais cada vez mais intensos, que torna o relacionamento cada vez mais complicado e difícil de ser controlado.




Shakira


Corazon Partio
Te Lo Agradezco pero No
Gypsy
Waka Waka
Ojos Asi





Leci Brandão


Perdoa
Fogueira de uma Paixão
Que Deus Lhe Pague
Nã Nã
Saudação a Oyá
Fonte do Seu Prazer





Beth Carvalho


Andanças
As Rosas Não Falam
O Show Tem Que Continuar
A Chuva Cai
Vou Festejar




Zeca Pagodinho


Maneiras
Verdade
Deixa a Vida me levar
Uma prova de Amor
Ogum




Guilherme Arantes


Planeta Água
Cheia de Charme
Loucas Horas
Mania de Possuir
Olhos Vermelhos




Frejat


Dois Lados
Segredos
Amor Pra Recomeçar
Tunel do Tempo
Por Você




Arlindo Cruz


Será Que é o Amor?
Quem Gosta de Mim
A Pureza da Flor
Chegamos ao Fim
Ainda é Tempo Pra Ser Feliz